quarta-feira, dezembro 23, 2009

buenos aires dez horas da manhã
sensação térmica um grau
ouço ramones na rádio kabul
i could do with some rocanrol

bom dia
bom dia
bom dia senhora rebecca
bom dia senhor peladito

preciso contar de novo
a história da cidade
onde nasci
ou vocês já conseguem rir
sem mim

bom dia
bom dia
bom dia coração inventado
bom dia terminal retiro

bom dia e adeus



(jun. 2007)

quarta-feira, dezembro 09, 2009

12/12 RJ
15/12 SP




quarta-feira, dezembro 02, 2009

um patinho de borracha
& uma jujuba azul*


um patinho de borracha
quá quá
amarelinho com mofo
esquecido numa banheira
quá quá
de uma casa para alugar

se sente tão sozinho
quá quá
se ao menos ele soubesse
que debaixo do sofá
quá quá
descansa esquecida
uma linda jujuba azul

uma jujuba sabor anis
uma jujuba que ninguém quis

um patinho de borracha
quá quá
que ninguém quis levar

uma jujuba azul
zul zul
que ninguém quis chupar


*quem disse que não dava pra escrever sobre patos e jujubas? esta canção vai para amino benzeno e sua recém-operada esposa polly etileno, lá da usina nuclear de springfield.








(...) Relentless caper for all those who step
The legend of their youth into the noon.

Hart Crane, "Legend"

terça-feira, dezembro 01, 2009

louisa, por que não me googlas?


louisa, fevereiro de 91
em dublin, lembras de mim?
quatro anos de cartas e
cheguei à tua família, que me
tratou como filha, me entupiu
de comida. passeando
nos ônibus verde-ervilha,
como éramos saltitantes.
tu gostavas dos beatles, eu
gostava dos beatles. tu
gostavas de pizza, eu
gostava de pizza.
"e a sinéad o'connor
é uma gênia!", eu bradava
aos passantes.
tu discordaste, séria.
eu calei, não queria agravantes.
foi porque a cantora careca
rasgou a foto do papa?
tu eras assim tão católica?
deverias ter dito antes.
louisa, ainda tenho as cartas,
a fita das bananarama
toda enredada. louisa,
por que não me googlas?



escrito para a revista humboldt, n. 151/ 2009