quinta-feira, agosto 28, 2008

De utilidade pública


Mensagem enviada por nosso querido leitor Paulo da Luz Moreira:


Tenho suspeitas que Chimboquinha faz parte da famosa Geração de 65. A titulo de esclarecimento envio texto monografico sobre o assunto publicado recentemente em revistas academicas e manuais de literatura de varios cursos de letras com otimas notas no ENEM:

A Geração de 65

A Geração de 65 é das mais vigorosas do século, principalmente no que diz respeito à chamada lírica da solidão anabolizante, com uma busca incessante da experimentação estética em linhas arrojadas, porém eminentemente bucólicas. Foram publicados inicialmente nas páginas amarelas das revistas Broca, Espelho e, é claro, Klut – O Passado Condena; além do lendário caderno de cultura do jornal Folha de Montezuma dirigido na época por Eulálio Fagundes Feitosa e Júlia Jorge de Medeiros. Essa é uma geração marcada acima de tudo pelo desastre da desclassificação da seleção iugoslava nas eliminatórias para a Copa da Inglaterra e seu líder inconteste e figura mais importante é, sem dúvida, Xerxes Feitosa. Advogado, militante estudantil, jornalista e dono de uma academia de ginástica, Xerxes Feitosa teve em Largos Anéis, seu primeiro livro de poemas, um sucesso sem precedentes, tendo permanecido na lista dos mais vendidos do Vale por 33 semanas consecutivas. O sucesso descomunal de Largos Anéis acabou gerando protestos de emissoras de televisão, que reclamavam da competição desleal contra seus programas, abandonados às moscas enquanto a cidade promovia intermináveis saraus que sempre terminavam com a leitura entusiasmada dos poemas mais famosos de Xerxes: “Lava,” “Ode ao Envelope Lacrado” e principalemente “Fragmentos de um Frango de Poliuretano.” Magnitudes Infinitesimais marca uma guinada histórica na trajetória do poeta, com poemas curtos e grossos alusivos à polêmica com a televisão que culminou com o manifesto Televisão Também é Cultura. Destacam-se nesse livro os poemas “Lápides em Pó” e “Estrofes em Trufas.” Destacam-se também na Geração de 65 Coriolano França Júnior, poeta do amor solitário e das divagações amarguradas sobre a falta de dinheiro, e Gérson Gilson Siqueira, conhecido pelo seu rigor informal e comprometimento antisocial com as memórias da juventude no bairro Servo-Croata de Montezuma. O crítico Almenara Salustiano descreve a Geração de 65 com as seguintes palavras: “Jovens maduros, paradigmáticos, mórbido-emotivos e por vezes até confusos, mas sempre estéticos, os poetas da Geração de 65 fundem o cru e o cozido, o macro e o micro, o hermenêutico e o seráfico numa síntese de opostos ortodoxos.”



E quem sou eu para dizer que nao?

quarta-feira, agosto 27, 2008

Vistulina Chimboquinha, musa da poesia sottogases, ganhou o prêmio Norberto - Se o penhor dessa igualdade 1978, foi mençao horrorosa no concurso Afundarse e obteve outras regalias durante seu longo boneco de neve. Conhecida pela fluência intestinal e grande lucidez no escuro, foi vista pela última vez cagando no mato e murmurando que nada fazia sentido. Vistulina Chimboquinha, onde quer que vc esteja, queremos dar-te um abraço e um suprimento vitalício de papel higiênico.


Memória

Era uma noite enluarada
atirávamos milho à cerca eletrificada
para ver se pipoca virava.

E virava. Só que caía
para lá do muro, onde era escuro
e havia caes de guarda.

Atirávamos o milho
de boca aberta, numa dessas acerta
pipoca em nossa goela.

Éramos muito criticados
os dobermans, por seu latido
nós, por nao fazermos sentido.

Era uma noite enluarada
com cheiro de milho queimado
e três dobermans enlouquecidos.


(V. Chimboquinha)

quinta-feira, agosto 07, 2008

repolho radical


voce pode comer muito bem nos restaurantes da cidade velha. empanturrar-se de pierogis (os raviolis poloneses) por menos de 10 euros e saciar a sede com a cerveja zywiec.

ou voce pode encarar meu desafio. o repolho radical.

va ate o bairro de praga e encontre o restaurante que fica na esquina das ruas zabkowska e targowa. nao e muito dificil de encontrar no mapa. se voce nao conseguir encontrar no mapa, bah, talvez nem seja worthy do repolho radical.

a primeira coisa que vai ver no restaurante e a fila. sim, estamos falando de um restaurante onde gente comum vai comer. tipo uma lancheria do parque em porto alegre.

entre na fila e, quando chegar a sua vez de pagar (paga-se antes), olhe o menu que esta colado na parede. voce nao vai entender nada. mas este e que poe o radical no repolho. escolha um prato. ou melhor, aponte.

voce pode se desesperar, ok, vale perguntar pra alguem na fila "do you speak english?" ou bater as asas para dizer que quer comer frango. isso tambem faz o repolho radical. e se a mulher do caixa disser "compota?", aceite. e um suco de frutas cozidas. talvez voce precise. depende. depende do que o destino reserva para voce!

o proximo passo e pagar (e barato), seguir a fila e entregar o ticket para uma colecao de senhoras simpaticas que nao falam ingles e lhe vao fornecer, assim que possivel, a comida que voce pediu.

radical. repolho radical.

o destino me reservou uns raviolis de miudos de frango. pelo menos eu acho que era isso. na verdade nunca vou saber.

quarta-feira, agosto 06, 2008

cuidado vento

ainda em varsovia. ontem havia muito vento.disseram pra ter cuidado com as arvores. principalmente as velhas. voltando pro albergue, vi um galho em cima de um auto. e uma arvore amarrada a um predio.

*

esta cidade foi completamente destruida pelos nazis (84%, consta). caminhando pelo centro velho, nao da para acreditar.

segunda-feira, agosto 04, 2008

bruxelas tem legendas

ontem la, me empanturrando de batatas fritas e gaufres
pensando num poema que escrevi aos 10 anos
hoje em varsovia
sim, warsaw, warzsawa
me lembra um pouco alguns lados de berlim
tudo muito amplo
arquitetura sovietica, varios regalitos do stalin

pessoas simpaticas, nos ajudam na rua quando nos veem com mapas, se a gente nao entende polones eles falam polones bem devagarinho

hoje peguei um onibus e fui para a periferia, entrei num mercado
vi senhoras comprando salsichas
tomei uma coca-cola (2 zloti)

segui (sigo) viagem