terça-feira, maio 31, 2005

Aviso aos navegantes

Sim, eu também escrevo num blog coletivo.

Poetar com Deadline é o nome.

Espero que vocês curtam.

segunda-feira, maio 30, 2005

e, é claro, todos sabemos, o que faltou no domingo era você, você que some sem deixar rastro, que eu amo mas francamente não entendo.

domingo, maio 29, 2005

o silêncio da casa, os gatos que dormem, o banho tomado, o café passando, dois croissants doces e a biografia de gertrude e alice recém iniciada, dividindo espaço nos meus olhos com as crônicas do dylan. o que de melhor o domingo poderia me reservar?
se estivesse tão cansada

se estivesse tão cansada

estirada numa esteira
terça-feira de ócio
outonal
engana o
inverno! diz não é aqui
é por ali por ali

se estivesse tão cansada
nervos & músculos
se estivesse
tão cansada

se pudesse dava cambalhotas
não adianta
chega na porta
e ordenar
abra
öffnet
open
é preciso
girar a chave

e mais
é preciso saber
qual chave

ou então
esbarrar na dureza
de certos materiais

mogno pinho
cedro ou lâmina
de qualquer madeira

conhecer a chave
ou intuir para que
lado gira

tantos têm
tão pouca paciência

sábado, maio 21, 2005

haxixe

walter benjamin,
às nove horas uma cápsula
primeiro efeito às onze horas
walter benjamin,
quatrocentos miligramas às dez horas
& quinze
(comprovou-se
mais tarde
que a dose não era suficiente
para provocar um êxtase profundo)
walter benjamin,
um grama às onze da noite
às doze, riso súbito,
curtos e repetidos ataques de riso.


mixagem das experiências de wb com haxixe (haxixe, walter benjamin, editora brasiliense, 1984). angie f nas pick-ups, camus cantarola que a vida é absurdo.

sexta-feira, maio 20, 2005

modapraia
mar do japão

bi ki
ni é
bo m
pr'
ha ra
ki ri

quarta-feira, maio 18, 2005

bandeira eu gênio de andrade


farto do lirismo comedido

do poema de anágua
ou polainas?

despe-te
não há outro caminho.
trattoria arrivederci


rabiscar um poema no guardanapo do café ou restaurante, que lindo, letras marcadas pela boca, borra, tinta chupada pelo papel, borrão charmoso, toma meu amor. e o seu amor dobra, retribui o olhar, guarda, guarda o guardanapo, o guardanapoema. inusitado porém seria sair do banheiro com a obra escrita em prosa ou verso na tripa de papel ou no rolo inteiro e sem enrolação dizer: toma, meu amor, eu fiz pra você, eu fiz pensando em você.
no século 15 antes de ford
o poeta mishama que eu vou da silva moore
batucou no tampo da mesa
um sambestanza
depois cuspiu e foi embora

eu acho que ele quis dizer
você pode ser poeta e
BUNDÃO
mas não é recomendável.
PARA JACK KEROUAC

Há alguns anos, eu sonhava com panquecas num lugar onde não havia nem papel higiênico.
Eu me queixei disso a Jack Kerouac por escrito.
Em resposta recebi uma carta falando de uma nova receita para panquecas, conhecida, por coincidência, como HUNGRY JACK.
Ele não estava zombando de mim porque acabo de ver na TV um comercial que anuncia justamente essa marca, HUNGRY JACK.
Gostaria de aproveitar a ocasião para louvar este homem por sua honestidade e grande capacidade de observação.

Carl Solomon,
em De Repente, Acidentes

terça-feira, maio 17, 2005

A poesia é uma mágica das pausas, como me recordou uma carta de São Valentino - que me enviaram de Harvard, onde eu estivera a debater pausas, - que rimava "pawses" (patas) com "pauses" (pausas).

Devo dizer, com relação à rima leve, que a frase de T.S. Eliot, "o maior mestre vivo da rima leve", em sua introdução aos meus "Poemas Escolhidos" - sugerindo uma eficiência consciente ou pelo menos uma arte regulada de minha parte, dificilmente corresponde à verdade. O trabalho consciente pode ser a morte da poesia.

Marianne Moore,
no livro Poets on Poetry (1966)

segunda-feira, maio 16, 2005

música

lavar roupa no tanque no inverno/ não é bom/ dá frieira/ suas mãos ficam vermelhas, que pobreza/ qual o seu sabão em pó/ qual o seu/ sabão em pó?

o que você lava primeiro?/ as roupas de cor primeiro?/ e as cuecas, você lava no chuveiro?/ e as calcinhas, você lava no chuveiro?

qual o seu sabão em pó?/ qual o seu/ sabão em pó-ó?
amanhã tem clara crocodilo show.

às 21 horas.

poesia e outras insanidades na rádio da ufrgs.

modo de preparo: prepare-se.

outras instruções: Rádio da Universidade 1080AM. você também pode escutar pela rede, acessando o site www.ufrgs.br/radio e clicando em AO VIVO (só precisa d real player, ok?). valeu?! beijo, só há sol a sós.

todos os efeitos colaterais serão bem-vindos nos comments.
SEGUNDO A TRADIÇÃO

O grande bem não nos é nunca dado
e foste já furtado do segundo:
O resto é afogar-te com o amado
na líquida volúpia de um segundo.

(Antonio Cicero, em "Guardar", p. 17)



*


ereto

antonio cicero nao tem acento
que e pra voce nao sentar quando
estiver lendo

quarta-feira, maio 11, 2005

hoje tomei um suco de cupuaçu na margem do rio negro.
ontem fui picada por um pium na margem do rio acre.
anteontem comi um sanduiche de chancho de chola pelas ruas de la paz.
e esta noite eu dormi no aeroporto.

renata freitas,
minhermã
EPIGRAMA 21

Estou pirocando
e cada vez mais despirocado.
Acho tudo esquisito.
Sou muito ansioso e agitado.
Drogado e depravado.
Mas me queira bem
me queira bem
queira bem
bem
be
b

(Torquato Neto)

terça-feira, maio 10, 2005

I MAY, I MIGHT, I MUST

If you will tell me why the fen*
appears impassable, I then
will tell you why I think that I
can get across it if I try.

(Marianne Moore)


* pântano

domingo, maio 08, 2005

favorito refrão do domingão

No chão do cinema Império da Tijuca
O cemitério do Caju
Cemitério do Caju
No cine Império da Tijuca

(sérgio sampaio - filme de terror)
soul

sova

pente

que

tudo

escova

ufo

é

ovni

cave

não é

cova

bufa

ufa!

uma

ova.
dia das mãe

como sempre,
henrique murilo matou a charada. leiam lá.

*

eu queria agradecer de público à dona léia. leinha bonita me pariu, me empurrou sopa de legumes goela abaixo, me fez ir à missa aos domingos, não me deixava matar aula, me largou na mão singles do stevie wonder, beatles, ney matogrosso, me deixava dirigir o fusca na praia, me deu uma vitrolinha, um violão, pagou minha passagem de volta depois de uma aventura frustrada na europa, me apoia em tudo e mê dá opinião quando eu peço. e me ouve tão atentamente e silenciosamente que às vezes eu acho que a ligação caiu. alô, mãe, taí? e ela dá uma risadinha. tô, tô te ouvindo.

minha mãe me ensinou a aproveitar os dias bonitos. e a agüentar os dias feios, porque vão passar. e não fazer aos outros o que eu não gostaria que fizessem comigo.

tudo de realmente importante eu aprendi com leinha.

*

também queria agradecer à dona gleide, por todos os chambinhos e bananadas cuidadosamente administrados ao longo de duas décadas.

sexta-feira, maio 06, 2005

poesia poetry poetria poetira
eu queria recomendar um moço aí pra vocês ouvirem. o nome dele é johnny cash. valeu.

quinta-feira, maio 05, 2005

ajeno sms poem


20:49:39:Quien sos

20:48:36:Hola percy yo
n te colgue
fuiste t
quien colgo
y dime q haces

20:40:46:bb cuando
estamos chat
me entro un men
y me decian
burreras
y de apurado
marqe su n disculpa mi bbcita.

20:43:22:RESPONDE A LOS MENSAJES

20:44:35:NUMERO EQUIVOCADO
I would be happy to say that the two Steins [Gertrude and Wittgen-] are the Adam’n’ Eve of Language poetry. Or De Man, Derrida, and Dylan; Ashbery, Cage, and Picasso; or Walter Abish and Apollinaire. Maybe it’s all about Benjamin and Roussel. But really it’s Husserl and Beckett, or maybe Jabès and Zukofsky; maybe whoever first inverted ‘No ideas but in things!’ or invented the term L=A=N=G=U=A=G=E poetry. Connecting a whirl of historical dots into a certain shape is like overlaying a constellation on a bunch of stars in the heavens.

Joshua Clover, ‘The Rose of the Name’
(1998)

*

recomendo a página da crítica literária marjorie perloff, que se ocupa de poesia. no currículo, entrevista com os irmãos campos. o site tem artigos. esse trecho aí de cima eu tirei de um deles, "introduction - 21st century modernism".

*

momento de felicidade por r$ 2? recomendo ir à biblioteca da fiesp, ali na paulista, ir à seção de poesia, que é pequena mas bem fornida, e puxar o volume de poesia e prosa completa do murilo mendes. não, isso não custa r$2, isso é de graça. r$ 2 é o saco de pipocas doces e vermelhonas que você pode comprar na saída, pra ir comendo enquanto anda na paulista. se você quiser felicidade a quase r$ 4, então quando chegar ao conjunto nacional, tome um cafezinho no quiosque do viena. eu fiz isso tudo ontem, ao sair do trabalho. ultimamente tenho escavoucado a vida a procura de inspiração e/ou arrego, arrego já está de bom tamanho.

*

hoje, 9h47, meu coração arrota remédio.

quarta-feira, maio 04, 2005

civilização 2


manufacture
velocity
of money



the rate at which
money

flows

from one transaction
to another

.

the number of
times money

changes hands

in a given time period

.

(2)

the rate at which

total money
in circulation is

spent

on goods and services

in a given time period

.


Greater velocity thus means
that
a given amount of money
is
used for a higher dollar volume
of

t
r
a
n
s

actions.

terça-feira, maio 03, 2005

the momentum of a
moving object is
the product
(result of multiplication)
of its mass
and velocity

;

like velocity,
momentum is a vector

.

the law
of conservation of
momentum
states
that when two
or more objects
interact

- a cannon fires a shell,
a rocket shoots out a fast jet of hot gas,
a bowling ball scatters a group of pins -

the total
vector
sum
of their momenta
is unchanged

.

That,
too,
is an equivalent
formulation
of Newton's
laws.

domingo, maio 01, 2005

I have always noticed that in portraits of really great writers the mouth is always firmly closed.


Gertrude Stein
civilização


mallstar

duas dicas


- Minha amiga Vanessa, que estuda grego na USP, fez uma lista de livros indispensáveis.

- Uma página bem legal com gravações de poetas. Ginsberg, Creeley, O'Hara... Detalhe, eram de um serviço telefônico, o Dial-A-Poem.