segunda-feira, fevereiro 28, 2005

2 cervejas mais tarde

chega de dead women speaking through my throat. eu não sei se o negócio é achar a voz. a voz eu achei e o que ela me diz? hahaha. a voz me diz que é para ouvir a minha voz.

*

girafa sob as plêiades
tão deslocada e africana
come um verde e suspira
na noite vesga da savana

*

o ministério da saúde adverte: já para casa.

domingo, fevereiro 27, 2005

some history

two thousand times have i
run out of cigarettes. rain
no rain. back to work.
very best of me. now
available. this will
still be when i'm dead.
so i hereby enclose
the originals

sábado, fevereiro 26, 2005

olha:

umgravadornumgravador

sexta-feira, fevereiro 25, 2005

rue vaugirard

flano pra manga.
Hoje faz 60 anos que o Mario de Andrade morreu.

*

Quando em morrer quero ficar
Não contem aos meus inimigos,
Sepultado em minha cidade,
Saudade.

Meus pés enterrem na rua Aurora,
No Paissandu deixem meu sexo,
Na Lopes Chaves a cabeça
Esqueçam.

No Pátio do Colégio afundem
O meu coração paulistano:
Um coração vivo e um defunto
Bem juntos.

Escondam no Correio o ouvido
Direito, o esquerdo nos telégrafo,
Quero saber da vida alheia,
Sereia.

O nariz guardem nos rosais,
A língua no alto do Ipiranga
Para cantar a liberdade,
Saudade ...

Os olhos lá no Jaraguá
Assistirão ao que há de vir,
O joelho na Universidade,
Saudade...

As mãos atirem por aí,
Que desvivam como viveram,
As tripas atirem pro Diabo,
Que o espírito será de Deus.
Adeus.

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

os discos que comprei vão derreter
mas os livros que roubei são pra você

fellini, em "fellini só vive duas vezes" ou em "o adeus de fellini". tô em dúvida. para mim, fellini é são paulo. e ouvir fellini nas ruas de são paulo, pura emoção.

Ps. a música se chama "burros e oceanos", e é do "fellini só vive duas vezes".

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

rue rambuteau

vou pedir divórcio da realidade. tô vendo que vai ser litigioso.
mel diz: ontem a neve
acumulou em paris

eu quero ver a neve(r)
virar livro. a vida virar
floco. e derreter.
é assim. virver.
dar tchau. voltar.
eu quero ver a never(r)
cobrir o túmulo da
gertrude. é mesmo o
cúmulo não estar aí(r).

terça-feira, fevereiro 22, 2005

love-lorn soft-porn

tenho sempre
para a Musa
um poema
na traquéia
uma prosa
sob a blusa

emossão sem opção
viajar no avião
da manteiga aviação


o avião da manteiga aviação é um ovni disfarçado de boeing
prestes a abduzir a vaquinha que bovinamente pasta
nos campos verdes largando bosta
mas a pergunta não cala e perguntar é preciso
tem tanto prédio em são sebastião do paraíso?

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

vidona vidaça vidraça:
sem medo de pedras nem perdas.

para noah e para mel,
que conhecem o impulso,
e sabem que é verdadeiro.

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

"German LORELEY, large rock on the bank of the Rhine River near Sankt Goarshausen, Ger. The rock produces an echo and is associated with the legend of a beautiful maiden who threw herself into the Rhine in despair over a faithless lover and was transformed into a siren who lured fishermen to destruction. The essentials of the legend were claimed as his invention by German writer Clemens Brentano in his novel Godwi (1800-02). Lorelei has been the subject of a number of literary works and songs; the poem Die Loreley by Heinrich Heine was set to music by more than 25 composers." Copyright © 1994-2000 Encyclopædia Britannica, Inc.
should i order cyanide or order champagne? na duvida, vou de bordeaux.

terça-feira, fevereiro 15, 2005

cnns#140204

feia nas fotografias molha os pes no rio reno
debaixo d'agua como faz seu celular?
'depois do bipe lorelei depois do bipe'

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

certo?

sem o erre
um belo dia
a guria
virou guia

para a ana

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

alguém leu "ash wednesday" do t.s. eliot ontem? hm. eu sim. há quatro anos, na quarta-feira de cinzas, abro meu tiésse e leio although i do not hope to turn. ponto alto do carnaval. qualquer coisa de sublime. t.s. tem lances sublimes. mas você sabe: um lance sublime jamais abolirá o cacaso. xi, foi mals.

terça-feira, fevereiro 08, 2005

fool's gold

tola, no subcontinente indiano, é uma medida de peso de ouro.

crois-tu (collage)

crois-tu que la musique vienne, Ou crois-tu que tu dois aller leur dire ce qu'est l'Islam ? Peutêtre crois tu que ne pas gagner à la loterie est le plus grand malheur. Grand-mère, dit-il, si nous avions un oiseau de pluie à nous, crois-tu que nos champs seraient arrosés quand nous le voudrions? Mais pourquoi crois-tu que les autres élèves pourraient rire de toi?

crois-tu que les paroles de cette chanson sont pour nous ?

alalaoswald

segunda-feira, fevereiro 07, 2005

paradóques

chocolate engorda. massa engorda. coca cola engorda. arroz engorda. mas no fim só eu engordo.

domingo, fevereiro 06, 2005

As long as the outside does not put a value on you it remains outside but when it does put a value on you then it gets inside or rather if the outside puts a value on you then all your inside gets to be outside.

gertrude stein

sábado, fevereiro 05, 2005

é claro que eu digo
falo quando quiser
digo ontem digo hoje
e amanhã se me aprouver

é claro que eu não digo
que escondo que disfarço
passo ao largo fico tonta
mas à noite adormeço

então ficamos nessa
nem não nem sim

pássaro, avião ou querubim
cara, pouco me interessa.


sexta-feira, fevereiro 04, 2005

love, this courage (a collage)

During a drunken argument in Brussels, Verlaine shot atRimbaud, hitting him once in the wrist On 10 July 1875, in a drunken quarrel in Brussels, Verlaine shot Rimbaudin the wrist, and was imprisoned for two years at Mons. Together again in Brussels in the summer of that year, Verlaine shot Rimbaud in the wrist following a drunken argument. Verlaine, drunk and desolate, shot Rimbaud in the wristwith a 7mm pistol after a quarrel. At one point, the tension between them became so great thatVerlaine shot Rimbaud in the wrist. about 2 o'clock,when M. Paul Verlaine, in his mother's bedroom, fired a shot of revolver. the subject of various books, films, and curiosities, ended July 12, 1873when a drunken Verlaine shot at Rimbaud and injured him in the wrist. Verlaine shot Rimbaud in a fit of drunken jealousy.


para b.b.

quinta-feira, fevereiro 03, 2005

february mon amour

janeiro não disse a que veio.
mas fevereiro bateu na porta
e prometeu altas coisas.
'como o carnaval', ele disse.
(fevereiro é baixinho,
tem 1,60 e usa costeletas.
faria melhor propaganda
do festival de glastonbury.)
pisquei ligeira nas almofadas:
'nem tô, fevereiro.
abandonei o calendário.'
'você é um saco', ele disse.
e foi cheirar no banheiro.



quarta-feira, fevereiro 02, 2005

escrever sobre o amor, a dor ou a guerra são coisas que me dão uma canseira só de pensar. sobre o amor, bah, sobre o amor e a dor, bahs. prefiro escrever sobre a colher que usei para mexer o café. sobre o gosto do metal, a temperatura, o roçar no palato. pensativa no dia em que levei um pé na bunda e entrei num café, porque também estava frio. e aí a colher, o café. vou atentar para alguma flor murcha ou alguém mais triste que eu. vou pensar em prevert, no café konkret, e voltarei à colher. e depois vou esquecer a colher.
"A poet has to woo, not only his own Muse but also Dame Philology, and, for the beginner, the latter is the more important. As a rule, the sign that a beginner has a genuine original talent is that he is more interested in playing with words than in saying something original; his attitude is that of the old lady, quoted by E. M. Forster - 'How can I know what I think till I see what I say?' It is only later, when he has wooed and won Dame Philology, that he can give his entire devotion to his Muse."

W.H. Auden, em The Dyer's Hand

terça-feira, fevereiro 01, 2005

o que é um baibai?

baibai es un adiós.
un farwellito sin pañuelos.
tem gente que escreve haikai,
três linhas à bashô.
baibais também seguem modelos.

quem escreve baibais sabe que acabou
-se o que era doce.

*

sw # 98043

sufragette sem rouge molha os pés no rio clyde
debaixo d'água como faz o seu cabelo?
esquerda.... direita.... esquerda..... direita....